quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Era uma vez uma urbanoide no camping...

Cheguei em casa e anunciei, eufórica:

-- Vou acampar no pé do Pico da Bandeira e ver o sol nascer lá de cima!
Minha mãe riu, minhas irmãs avisaram que era roubada.

-- Fernanda, isso não é programa pra uma urbanoide como você.
Mas sempre fui uma urbanoide teimosa e aventureira, e de nada adiantaram os avisos.

Muitos anos depois, minha enteada, na flor da idade, vem me dar a boa notícia:
-- Vou acampar nas férias!

Eu não quis ser estraga-prazeres, mas foi inevitável... e pus-me logo a contar sobre aquela experiência antropológica de tanto tempo atrás. A única vez em que caí na esparrela de ir passar um feriadão no meio do mato das Gerais, pra curtir a natureza bem de pertinho.
Como era a minha primeira vez e eu estava achando o máximo, fui em grande estilo. Levei um saco de dormir maravilhoso, fofo e quente, que peguei emprestado com uma amiga, o casacão de couro forrado do meu pai e uma mochila que o grupo todo, formado por exatas 24 pessoas experientes em acampamento, achou grande demais. Na verdade era uma mala... mas como eu poderia levar meu travesseiro, meu roupão rosa choque que ia até os pés, meu livro, meu rádio de pilhas (grande) e minha nécessaire cheia de cremes e maquiagens numa reles mochilinha?

Chegamos ao nosso destino às dez da noite. Tudo escuuuuro... e fomos montar a barraca onde eu dormiria com mais duas amigas. Já achei um saco logo de cara. Montar barraca?! Ai que preguiça! Ao lado da minha cama, digo, meu saco de dormir, botei a tal necessaire cheia de cremes, fazendo a vez de criado-mudo. Precisei dar um ar doméstico ao ambiente pra combater a sensação de estar no meio do mato total.
Barraca montada... nada pra fazer naquele fim-de-mundo. O barato era sentar perto da fogueira pra ver o céu, o que me cansou antes dos primeiros cinco minutos e fez doer o meu pescoço. Além do mais, sou míope. A turma estava curiosa a respeito dos animais que veríamos, soltinhos da silva, em seu habitat natural. Lembro de pensar que bicho, pra mim, é lindo nos documentários do Discovery. Fiquei apreensiva. E se entra um jacaré na barraca? E não me venha com esta de que não existe jacaré em Alto Caparaó, porque tudo é possível nesta vida!

Foi quando caiu a ficha e vi que eu estava finalmente acampando. Aaaaaaai meu Deus... lembrei da minha casa. Bateu a consciência: “O que é que eu tô fazendo aqui?”, e foi aí que pela primeira vez na vida tomei um Lexotan, que sempre carreguei na bolsa para uma eventual necessidade. Fui dormir pra esquecer, preocupada em ficar com vontade de fazer xixi no meio da noite. Pensei que deveria ter pedido emprestado ao meu avô o penico que ele guardava embaixo da cama para um caso de emergência noturna.

No dia seguinte acordamos cedo porque o sol bateu forte logo cedinho no “teto” da barraca azul e amarela. O dia passou lento e lindo lá no chamado “Terreirão”, muitas barracas já montadas e vários grupos diferentes confraternizando com a natureza. Tratei de fazer amizade com uns hippies e passei o dia fazendo o que mais gosto, ou seja, conversando com Deus e todo mundo. Lá pelas tantas, hora do banho! Atravessei o camping usando meu roupão rosa e carregando a nécessaire, rumo ao banheiro. Lembro da cara incrédula do povo, me vendo passar. E aí quem levou o choque fui eu: água fria, o chuveiro era um cano, não havia portas nem azulejos nas paredes... um frio desgraçado, privacidade zero, conforto nenhum! E cobra, será que tinha? Nem precisava, porque um sapo já me faria fugir dali pelada mesmo.
-- Banho gelado?! Nem morta! Só tomo banho quando chegar em casa!
Indignação total! Mas como é que não tem um banheiro decente neste camping?!. Olhei os vasos sanitários e comecei a rezar para ter uma prisão de ventre. E decidi que cocô, só em casa também. Então me deram o que seria uma boa alternativa:

-- Você pode fazer como os índios e tomar banho de rio! Pode fazer “as coisas” no meio do mato!
Até hoje não sei se era piada, mas o fato é que teve gente que preferiu esta segunda opção. De minha parte, acho que bancar o índio sem ser índio é bizarrice, mas entendo que há gosto para tudo nesta vida...

Às seis da tarde meu grupo foi dormir pra se preparar para a escalada do pico, que começaria às dez da noite.  À hora marcada, minha amiga me acordou. Abri o zíper da barraca e botei o nariz pra fora. Quase congelei e decidi que o pico que eu ia subir aquela noite era o do sono REM, pra sonhar que estava na minha cama. Minhas amigas tentaram de tudo, mas fiquei irredutível:
-- Só saio desta barraca agora se for pra voltar pra casa.

Elas riram incrédulas outra vez, enquanto tomei outro Lex. E boa noite!
Acordei cedo de novo por causa do sol. Vi as gotas de água brilhando no nylon, do lado de fora  da barraca. Fui tomar café da manhã com os hippies, que assavam pães, e soube que havia chovido a noite toda, enquanto eu dormia como uma pedra por causa do calmante. O dia passou ao sabor do pão assado na fogueirinha improvisada nas pedras, cigarros de palha e café. Foi gostoso, não posso negar. No meio da tarde meu grupo começou a chegar: todos pareciam voltar da guerra. Ensopados, enlameados, famintos, deprimidos, esgotados e frustrados. Escalaram o pico a noite toda em meio à chuva de vento e não viram nada lá de cima, só nuvens.

Esperei melhorar o astral e pus em prática meu poder de persuasão:
-- Isso aqui tá muito bom, tá ótimo, mas v´ambora daqui amanhã mesmo! O feriadão vai ser legal lá no Rio, aquela cidade maravilhosa que gente do mundo inteiro quer conhecer! Mês que vem a gente volta!

No dia seguinte voltamos cedo, a tempo de pegar o que sobrou do almoço em casa.
Minha enteada urbanoide ouviu a história toda às risadas e fez como eu, no passado: fincou o pé.

-- Vou passar uma semana inteira lá no camping! Vai ser "manero"!
E concluí, mais uma vez, que a gente só aprende mesmo nesta vida... entrando nas próprias furadas. E aí eu é que tive que rir, imaginando a pobrezinha tendo que escolher entre a moita e a privada do camping. Tadinha dela, mas fazer o quê?



Uma das companheiras de barraca, meus amigos hippies e eu!

 

10 comentários:

  1. Seria mais prático levar o Pico da Bandeira pro seu quarto.

    ResponderExcluir
  2. Fernanda,

    O que a sua mae e irmas falaram ..... que seria uma roubada .... na minha familia nos costumamos dizer que e uma barca furada ....... camping para mim, nem pensar ... adoro a natureza, mas preciso estar bem acomodada, assim como voce, banheiro, cama, com tudo que eu tenho direito ....nessas coisas eu sou muito chata.
    mas e como voce mesma disse: "a gosto para tudo" e voce nem citou os pernilongos .... meu pai... um horror.....

    Felicidades,

    Gilda Bose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilda de Deus... como é que fui me esquecer deste detalhe tão importante, os pernelongos?! Quase me comeram viva...

      Excluir
  3. Nao esquece de dar uns LEX pra ela...

    ResponderExcluir
  4. Adorei o : "caí na esparrela" ... beeeeem mineiro. Todo mundo, de uma maneira ou outra , vai cair, se ainda não teve a oportunidade. Também só fiz um acampamento, ao lado de uma bela cachoeira em Minas e foi divertidíssimo. Ainda éramos adolescentes, claaro e dentre os perrengues, comemos uma rã que um amigo caçou(meio Beto Guedes, né? rs)...muito mal temperada e mal assada na brasa. Que nojo.Mal consegui provar. Mas o grupo era adorável e foram momentos marcantes e inesquecíveis. À noite, ficávamos com medo do mão pelada ...um bicho que diziam haver no local, dentre outros. Os vaga-lumes (um dos maiores espetáculos da natureza) deram um show à parte, naquela noite escura. Você está linnnnnnnnnda na foto, irradiando juventude e charme.
    Santé e axé!
    Marcos Lúcio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabia que você ia gostar da minha esparrela! Este seu comentário foi especialmente bonito; imaginei tudo o que você descreveu, inclusive o cadáver carbonizado da rã, coitada. Quanto à foto, sempre tive o maior carinho por ela: estes hippies eram gente finíssima!

      Excluir
    2. Obrigado pelo gentil elogio, ainda mais vindo da talentosa e querida bloguetisa.
      Mas...o pior é que a rã não estava esturricada/carbonizada. Como digitei, ela estava mal assada, ou seja, com muiiiiitos resquícios de sangue e mal temperada.Argh! Mas nada que mineiros com predisposição etílica (dizem que muitos de nós temos, não posso negar rs), e depois da pentelhésima caipirinha (com cachaça da boa, marrelógico), não enfrentássemos com galhardia. AH! ...aquela impetuosa juventude mineira que "tampava na danada da cachaça", ou que adooooorava uma manguaça rs e fazia da vida - carnavalizando-a -, uma eterna festa (eu capitaneando a nau dos garridos desgarrados rs, "bien sûr"), apesar de e com todos os entraves de então.

      Também adorava os hippies e suas atitudes éticas, contra a corrente, e solidárias, noves fora as drogas de que nunca fui adicto ou fã, por sorte ou índole ou destino...vai saber...

      Hoje, com esta idade já beirando à senectude rsrs...e com saúde - o melhor da vida -, graças a Deus, pois muitos vão pro beleléu rs...prematuramente, tenho engulhos só de pensar no salto de uma rã rs. Mas quando lembro do show apoteótico/emocionante dos vaga-lumes como uma imensa nuvem caída do céu e salpicada de infinitas e rutilantes estrelinhas , presenteando-nos com a mais natural e bela iluminação possível ( ainda com o auxílio luxuoso de um cadinho de esplendor lunar)...acredito que , para ter um momento tão mágico e marcante como aquele, não só comeria a rã naquele
      estado deplorável, como comê-la-ia crua e até batida com leite rs. Também porque ali estava quem eu mais amei, também eroticamente, na vida.Parafraseando Caetano, naqueles momentos inesquecíveis..."minha cuca batucava em eterno zigue-zague, entre a escuridão e a claridade", a ponto de não saber se pisca-piscavam -os fantásticos vaga-lumes- fora ou dentro da minha cabeça...tão tonta quanto a de qualquer apaixonado cego, surdo e mudo rs. E , talvez, depois de beber tão insólita mistura ou poção ranídea, morresse, pois passo loooooooooonge de leite, desde os primórdios da minha existência, lembrando que nasci -raulseixasmente falando rs- há dez mil anos atrás rs.
      Santé e axé!
      M.L

      Excluir
  5. Muito divertido! E naquela época já existia o Discovery Channel?

    ResponderExcluir

Dicas para facilitar:
- Escreva seu nome e seu comentário;
- Selecione seu perfil:----> "anônimo";
- Clique em "Postar comentário";
Obrigada!!!!!