terça-feira, 20 de novembro de 2012

"Encostou" uma diarista lá em casa

Voltemos ao épico “Procura-se uma Diarista Desesperadamente”, que tem capítulo novo nas paradas. Talvez eu ande vendo muito filme trash na TV, mas a última que chegou aqui em casa veio com uma carranca tão feia que confesso que fiquei com medo dela: e se fosse uma doida e saísse de repente da cozinha com uma faca na mão? E se resolvesse brincar de “Sexta-feira 13” aqui em casa?

Fechei os olhos para o jeito esquisito da figura, que nem falar falava, nem um sorrisinho de leve se dignava a dar. Era mais ou menos assim:
-- Bom dia, Fulana!

-- Humpf.
-- Você é alérgica a algum produto de limpeza?
-- Humpf, humpf, humpf.
E até:
-- Hora do almoço!
-- Huuuuuumpf!!!!!!
Mas ela dava conta do recado, e tanto, que fiz vista grossa pra tudo e tratei de calar a boca da minha intuição, que já estava com dor de garganta de tanto gritar. As pessoas são diferentes, o que é que tem de mal? O Brasil é um país livre e o cidadão pode ser o que quiser, inclusive mal-encarado e esquisito, uai!
Então começaram o sinais... um dia minha Comigo-Ninguém-Pode apareceu seca e morta na porta de casa... depois foi a vez da Espada-de-São-Jorge, que parecia ter perdido a briga com o dragão... ( e eu imaginei estar vendo o dragão varrendo a casa, mas varria tão bem que deixei prá lá).

Mas aí os peixinhos amanheceram boiando no aquário, e não deu mais pra relevar... corri pro telefone e chamei minha amiga mãe-de-santo, expert em assuntos esquisitos. Não teve trelelê:
-- Compra tudo de novo, e se morrer outra vez manda a empregada nova embora.
Na loja de plantas, contei meu drama ao vendedor e saí de lá com um kit que incluía, além da “Comigo" e da “Espada”, duas pimenteiras e um vasinho de arruda. O homem ainda aconselhou, apontando o indicador para o céu:

-- Faz uma reza porque é sempre bom...
Chegou o dia da faxina e abri a porta confiante no meu “corpo fechado”.
-- Bom dia, Fulana!
-- Humpf!
Foi nesta tarde, quando voltei do trabalho, que descobri que ela sabe sorrir, porque foi com um sorriso nos lábios que contou o seguinte:
-- Estourou um cano na cozinha, alagou a casa do vizinho de baixo, estragou um armário que ele acabou de comprar e a senhora vai ter que pagar todo o prejuízo sozinha.

Tomou mais um gole de café e arrematou a história:

-- E eu não limpei nada porque fecharam o registro e estamos sem água. Acho que a senhora vai ter que tomar banho na casa da sua sogra!
 



Leia também:

O milagre da multiplicação das Julienes

Trago a Cinderela do lar em três dias

Limonada na macumba telepática

15 comentários:

  1. Respostas
    1. ^Não é só "Affffffff", Mercedes: é "humpf" também!

      Excluir
  2. Mas isso nao eh uma empregada. Eh um docinho de coco! (com acento)

    ResponderExcluir
  3. Sai pra lá espírito opaco!

    ResponderExcluir
  4. Humpf!

    Sergio Natureza - BA

    ResponderExcluir
  5. Fernanda minha querida!Isso não é uma empregada,e sim um feitiço que lhe mandaram!!!

    Monica.

    ResponderExcluir
  6. Fernanda,

    Secar avencas, ja escutei muitas historias .....agora, secar: comigo ninguem pode, e espadas de Sao jorge ......PODE PARAR... que bom, que ela nao trabalha mais na sua casa .....

    Felicidades,

    Gilda Bose

    ResponderExcluir
  7. Mauro Pires de Amorim.
    É parece que sua diarista "Carranca de Copacabana" está nas enrgias e posturas mentais das pessoas que tem curiosidade mórbida. Pelo que percebo, esse tipo de comportamento é um misto de prazer e admiração sádica, podendo chegar à fixação pelo enaltecimento da desgraça, principalmente se for alheia.
    Basta ocorrer um acidente em local público, que junta um monte de gente para admirar quem se estoporou ou se deu mal. E não satisfeitos com isso, fazem questão de filmar e fotografar com suas câmeras de celular. Além é claro, de enviarem as imagens para os(as) conhecidos(as) e postarem nas redes sociais que participam. E como isso só não bastasse, usando o mesmo celular, tratam de relatar os detalhes mórbidos para os(as) mesmos(as) conhecidos(as). Tudo isso para mostrar as maravilhas que sabem fazer usando o celular com câmera fotográfica e filmadora e como estão tecnologicamente atualizados(as).
    Sinto saudades das décadas passadas, quando a vida era menos midiática, sádica e esquizóde, pois infelizmente, nem todas as pessoas possuem senso de razoabilidade para usarem a modernidade tecnológica disponível.
    Não se pode falar no celular em agência bancária, então a minha razoabilidade recomenda que se desligue o aparelho antes da entrada na mesma, até porque, a porta giratória vai acabar travando em função do celular estar ligado e aí, algum vigilante de mau-humor ou ovo virado, pode acabar te metendo bala, supondo que você está armado(a).
    Igualmente não é recomendado se falar no celular durante sessões de cinema, teatro, aulas, palestras, audiências e reuniões profissionais. Com isso, minha razoabilidade igualmente recomenda desligar o aparelho antes desses eventos iniciarem-se.
    Durante o sexo, idem, por questões óbvias de razoabilidade, pois caso o mundo esteja acabando e alguém mais próximo(a) quiser te avisar, eu prefiro morrer feliz.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  8. Esta novela parece: " Procura-se uma diarista desesperadamente e que Deus me proteja!"

    ResponderExcluir
  9. Vilma, super obrigada! Se eu precisar, te aviso! bjos

    ResponderExcluir

Dicas para facilitar:
- Escreva seu nome e seu comentário;
- Selecione seu perfil:----> "anônimo";
- Clique em "Postar comentário";
Obrigada!!!!!