domingo, 9 de outubro de 2011

Na volta pra casa, que não aconteceu, conheci mais uma mulher incrível em Buenos Aires

Voltei. E isso me faz lembrar daquela música linda do "meu amigo" Roberto Carlos...

Tudo está igual como era antes
Quase nada se modificou
Acho que só eu mesmo mudei
E voltei...

O caso é o seguinte: à minha aventuresca volta ao Brasil, só faltou mesmo foi o meu cachorro me sorrir latindo. A "novela de Janete Clair" começou logo na quinta-feira à tarde, quando tivemos que descobrir, de táxi, o novo endereço dos escritórios da Aerolíneas Argentinas, porque o que está no site ainda é o antigo. E o taxímetro rodando...

Explico: mineira escaldada, senti cheiro de problemas no ar quando, uma semana antes, meu amigo Marcelo Migliaccio, do blog Rio Acima, teve seu voo cancelado duas vezes pela Aerolíneas em um mesmo dia. E, ao embarcar, finalmente, depois de horas de aeroporto, quase teve que sair do avião por falta de lugar.

Na sexta bem cedinho, com o voo já confirmado, minha cara-metade e eu corremos de um lado para o outro em Buenos Aires, à cata de uma guloseima aqui e outra acolá... somos bons de garfo e tínhamos muito do que nos despedir naquela manhã chuvosa.

Ao chegar ao aeroporto, às 14h, para um voo às 17h, começou a lenga-lenga da Aerolíneas Argentinas: na fila, passageiros do voo das seis da manhã mantinham o otimismo de que sim, algum funcionário apareceria para fazer o check-in. E dá-lhe pizza, samba, fotografia... o brasileiro não perde o bom-humor nem quando é destratado.

Olha, a história é longa e eu a resumo assim: fiquei amiga da dona Lourdes, uma senhora pra lá dos 70 anos e verdadeiro doce de Pernambuco. Conversei com pencas de argentinos que esperavam "su vuelo" para Montevidéo, Rio, Córdoba e sei lá mais onde... quando vi que a coisa ia demorar, tratei logo de me sentar ali mesmo, e relaxar. Fazer o quê?

Enquanto isso, meu marido, que também é ótimo repórter nas horas vagas, foi apurar os fatos: a primeira versão para o acúmulo de milhares de passageiros (dos mais de 60 voos cancelados pela Aerolíneas) foi a chuva forte. Mas como as outras companhias aéreas continuavam operando, veio a segunda versão: logo cedo, um passageiro teria dado uma bifa em um dos funcionários (justamente por causa de atrasos e cancelamentos) e, com isso, e sindicato teria retirado todo o corpo da Aerolíneas do aeroporto.

Durante o dia inteiro, imaginei o pior: aquilo era uma greve... 

Embora o número de passageiros só aumentasse no pequeno Aeroparque, NINGUÉM apareceu para uma explicação. Os voos eram cancelados seguidamente e o aviso, baixíssimo e incomopreensível, pelas caixas de som, dizia que os prejudicados procurassem um escritório da empresa para tentar remarcar seu voo. Diante daquele horror, meu marido questionava:

-- Como será que as empresas europeias lidaram com a crise do vulcão islandês, ano passado? Será que também deixaram os passageiros ao  léu, sem informação nenhuma, sem consideração ou um mínimo de respeito ao consumidor?

Às 21h30, finalmente, rolou o rebuliço: um funcionário, com megafone na mão, deu as caras à multidão e admitiu... nenhum avião tiraria suas rodinhas do chão. E veio a terceira versão: era greve mesmo.

Como não sou boba, tratei logo de correr à Gol e comprar dois bilhetes (que saíram mais caro que ida e volta pela Aerolíneas) para um voo na manhã seguinte. Muita gente teve a mesma ideia e imagino que a Gol faturou alto nesta noite.

De volta ao hotel, tivemos que implorar ao recepcionista que nos alugasse um quarto: o hotel estava lotado justamente por causa da greve da Aerolíneas... que, aliás, no dia seguinte, não mereceu nem mesmo um espaço em pé de página do Clarín, onde reinava absoluta, na capa, a vitória da seleção argentina sobre o Chile.

E então, como nada é por acaso, aconteceu o grande lance imprevisível de toda esta epopéia: enquanto meu marido negociava um quarto que nem mesmo havia sido arrumado pelas camareiras, resolvi atravessar o restaurante para ir ao banheiro. Foi quando a vi... tão simples, na última mesa, tomando uma sopa.

Passei por ela e, na volta, guardei a vergonha na bolsa e parei em sua mesa.

-- Marina, me desculpa, mas não resisti e vim aqui falar com você...

A ex-ministra conversou comigo por uns minutos, enquanto deu autógrafos a duas ou três meninas brasileiras que apareceram ali.

Senti que não tinha mais nem um pingo do cansaço daquele dia inteiro e saí com meu marido para "matar" uma pizza, mas acabamos num restaurante mexicano. Então, ao pensar em Marina Silva, concluí que, realmente, muitas vezes a vida nos diz "não" aqui... porque nos reserva um presente bem ali adiante.

video
Meu cinegrafista de plantão registrou a bagunça no Aeroparque. Clique para ver!

5 comentários:

  1. Mauro Pires de Amorim.
    A Aerolineas Argentinas já foi uma boa empresa, comparável à nossa falecida Varig, mas no atual momento, a Aerolineas anda ruim das pernas, ou melhor dizendo, das asas.
    Há cerca de 2 anos, estive em Buenos Aires. Voei pela Gol, tanto na ida como na volta e correu tudo bem. Não sei se a Gol opera no Aeroparque, pois meus vôos operaram de Ezeiza, município vizinho à Buenos Aires. Naquela época, uma corrida de taxi entre Ezeiza e Buenos Aires custava 90, 100 pesos e com a inflação, hoje deva estar em torno de 120 pesos, mas enfim, mais vale gastar esse dinheiro de taxi, do que se aborrecer e desgastar por conta dos outros.
    Sinceros desejos de felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  2. QueriDannemann...depois do "perrengue" que o M. Migliaccio passou em Beunos Aires, com a mesma Aerolíneas...já era de se esperar _como você mesma intuiu...ah! o sexto sentido feminino sempre atuando, né? Com estas "preciosas" informações, evitarei esta companhia, tanto quanto um vampiro de boa cepa passa looonge de dente de alhokkkk.
    Abraços e excelente retorno.
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir
  3. Mauro Pires de Amorim.
    Complementando meu escrito anterior, mas no fim de toda essa epopéia para voltar para casa, que bom que você não se aborreceu nem se desgastou e ainda por cima, encontrou Marina Silva no restaurante do hotel. Tenho certeza que esse encontro vai te inspirar para escrever para nós, assim como sua estadia em Buenos Aires também.
    Obs. Há alguns dias venho tentando escrever comentários no blog Rio Acima, do Marcelo Migliaccio, mas todos meus comentários não estão sendo aceitos, pois quando marco a opção postar comentário, eles são sumariamente apagados, sem a mensagem final que diz aproximadamente, seu comentário estará visível após aprovado, ou algo nesse sentido.
    Mais uma vez, sinceros desejos de felicidades, boas enrgias e pensamentos positivos.

    ResponderExcluir
  4. Olá, passei por uma historia mto parecida, no dia 11/11..com voo agendado pela aerolineas para Mendoza....ficamos 20 horas no aeroporto, com sequentes cancelamentos de voo..o aeroporto estava um caos, malas jogadas...e ainda por "sorte" a nossa foi despachada erroneamente...e qdo retornou pra casa....sentimos falta de varias coisas...
    Terrivel experiencia.

    ResponderExcluir
  5. Caro Anônimo... faça como eu: não compre, NUNCA MAIS, um bilhete da dita Companhia. Abraço e volte sempre.

    ResponderExcluir

Dicas para facilitar:
- Escreva seu nome e seu comentário;
- Selecione seu perfil:----> "anônimo";
- Clique em "Postar comentário";
Obrigada!!!!!