segunda-feira, 24 de outubro de 2011

O quê, de fato, podemos controlar?

A Paula é aquele tipo de amiga com quem levo altos papos, muitos deles considerados “cabeça” por gente que não gosta de pensar.

Uma das nossas últimas conversas foi sobre a Catarina.

Não conheço a Cata muito bem, mas sei que trata-se de pessoa carinhosa e de natureza leal.

Não fosse ela um pouco temperamental, e dada a rompantes de personalidade que às vezes assustam ou contrariam as pessoas, a Paula não estaria sofrendo. E sofrendo aquela culpa tão típica dos amigos verdadeiros, que se sentem um pouco responsáveis pela felicidade do outro... como se ser amigo fosse também ser um pouco pai ou mãe.

Não acompanho a história de perto, mas parece que a Cata, às vezes, tem dificuldades de relacionamento. E embora seja um doce de pessoa, parece que é aquele tipo que, quando cisma com alguma coisa, não muda de idéia nem por um decreto. Por ser como é, acaba mal interpretada por muita gente, que a considera desagradável e, até mesmo, perigosa.

E a Paula, que gosta tanto dela, sofre. Sofre de chorar, e acabou recorrendo a ajuda profissional para tentar melhorar a situação.

Descobriu que, enquanto a Catarina tem lá as suas dificuldades, ela, por sua vez, necessita ter o controle da situação. Ou, como ela mesma disse, necessita ACREDITAR que tem o controle... porque, lá no fundo, o ser humano sabe que não controla nada nesse mundo: nem as ondas gigantes do mar, nem as placas tectônicas; nem a terra que desliza nas montanhas de Friburgo... nem o próprio coração batendo no peito, ou por quem ele acelera.

Minha amiga descobriu sozinha, e depois me contou, que só há uma coisa que podemos controlar: nós mesmos. E a melhor maneira de fazer isso, é cuidar de como REAGIMOS às atitudes alheias... porque, a partir do momento em que você se deixa levar pelo que quer que seja e não controla suas próprias atitudes, está deixando-se controlar por alguém.

A descoberta da Paula a está ajudando a compreender melhor a natureza da Catarina, e a ser mais feliz em sua amizade: menos culpa, menos necessidade de controle, menos possessividade, menos desejo de fazer a Catarina ser como ela, Paula, quer que seja.

E me ajudou a ver que, ao mesmo tempo em que não devo buscar o controle sobre quem eu amo, devo, por outro lado, tentar controlar a minha natureza: esta é uma boa maneira de exercitar o amor universal, pelos outros e por mim mesma.


 Olha a foto da Cata!

Clica no filminho das minhas amigas, aí abaixo!

video






4 comentários:

  1. Essa minha sobrinha parece mesmo perigosa...
    Vou conhecê-la melhor em Fevereiro!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Catarina noveleira! Tava vendo Roque Santeiro. É muito linda!

    ResponderExcluir
  3. Mauro Pires de Amorim.
    Já havia comentado à respeito da Cata desde os tempos do JB, mas repito minhas palavras. Ela é uma gracinha, com os olhinhos tão expressivos.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
  4. QueriDannemann...o controle é fundamental, inclusive, para nossa segurança física ou para não perdermos tempo com coisas que em nada modificarão nossa existência e que só vão atazanar as idéias... Portanto em situações de conflito, de perigo, de provocação, de descobertas desagradáveis e até de risco de morte (ladrão com arma, p.ex.), além de respirar fundo e contar até 3.0l8 kkk, para tentar manter o equilíbrio, devemos seguir estritamente o que alguns cartazes orientam em portões com guaritas, vistos em algumas empresas: PARE. APAGUE AS LUZES EXTERNAS.ACENDA AS LUZES INTERNAS. IDENTIFIQUE-SE (neste caso, lembre-se do que ou de quem você é do que representa na vida de mais pessoas). SIGA (tão logo o problema minimize, se ajeite ou se resolva). Concordo com Ivan Lins: Desesperar, jamais...aprendemos muito nestes anos.Nenhum desesperado ou
    "al borde de un ataque de nervios"
    resolve ou resolveu bem sua questão. Principalmente os que já passamos dos "quarentinha" , então, podemos exercitar a quarentena ou a espera do momento propício a uma nova clareza e/ou atitude mais sensata.
    Abraço forte.
    Marcos Lúcio

    ResponderExcluir

Dicas para facilitar:
- Escreva seu nome e seu comentário;
- Selecione seu perfil:----> "anônimo";
- Clique em "Postar comentário";
Obrigada!!!!!