domingo, 19 de agosto de 2012

Não se procure "lá"; você está aqui!

Fui ver um filme de ação bem idiota, daqueles cujas imagens engolem a gente sem nos dar tempo pra pensar.  Eis que, entre uma pipoca e outra, apareceu um personagem pra dizer a frase que não saiu mais da minha cabeça. Foi mais ou menos assim:

-- Você quer saber quem é e busca as respostas no passado. Mas ela está no presente.
Passei o resto do filme ouvindo o eco destas palavras.
Pensei em todos os anos que vivi escarafunchando o passado à procura de respostas sobre quem eu sou, sobre o porquê de ser assim ou assado, sobre a semente que germinou e deu no que deu.
Então, um dia fiquei cansada de bancar a detetive de mim mesma. Simplesmente cansei, e meu guia psicanalítico levou um susto “daqueles”.
-- Assim? De um dia para o outro você resolve parar com tudo?
Foi isso mesmo. E justamente porque, antes de ver o tal filme, tive o insight do personagem lá de cima... entendi, de uma hora pra outra, e justamente por causa do autoconhecimento que conquistei, que aquela criatura lá atrás não é mais eu; é uma outra Fernanda, e que só vive mesmo nas lembranças: no final das contas, está tão morta quanto qualquer um que já tenha cruzado a linha para o Outro Lado. Ela só revive quando a convoco com meus pensamentos, e para mostrar-se tão diferente de tudo o que eu sou agora: ajuda-me a entender o "antes", que é história, para viver melhor a realidade.
Eu, em carne e osso, em emoções e sentimentos, estou aqui no hoje que pede para ser vivido, mesmo sem que o psicanalista tenha me dado alta.
A gente nunca está pronto para as novidades que a vida traz; aprende no tranco a ser adulto e depois velho, a ser filho, irmão, marido ou mulher, pai ou mãe, profissional, pessoa de bem ou do mal. Aprende na luta a aceitar o que não tem remédio, a não sofrer por causa de um dinheiro perdido ou de uma vaidade ferida, a entender as diferenças e a deixar para trás. E nada disso está lá no passado, como um código a ser eternamente decifrado.
A busca incessante de respostas no passado diminui o valor da vida porque tira os nossos olhos do que efetivamente temos: as oportunidades e as consequências do hoje. O hábito de justificar problemas de agora usando o pretérito desvaloriza a vida.
Melhor pensar que esta conduta pode vir a fazer-nos pagar a mais cara de todas as faturas, quando, já no fim, nos dermos conta do desperdício em que estivemos vivendo.

Esta moça já não existe mais...

Leia também:
Não deixe pra amanhã a felicidade que pode sentir hoje

20 comentários:

  1. Nossos papéis no teatro da vida_sem ensaio, edição e direção_, vão-se modificando , transformando-nos ou possibilitando a descoberta da nossa essência, afinal, sem o fundamental auto-conhecimento, a gente só existe ou dura, mas não vive de fato.

    Causa-nos, eventualmente, até espanto, as nossas ingenuidades, ilusões e desacertos passados ...sem os quais não chegaríamos até aqui. Continuo radicalmente existencialista e sartreanamente creio _em que pese minha saudável compulsão pela dúvida_ que não importa tanto o que fizeram de você, mas, sim, o que você faz com aquilo que fizeram de você.

    Redescobrir, refazer, reinventar, redefinir, para transvalorar ou fazer alquimia emocional é mister...para se atingir e viver na única possibilidade real: o momento presente (tempus fugit), pois fora dele só lembranças ou esperanças existem, ato continuo..."carpe diem".

    Apáixonado por viagens e literatura, roubarei estas palavras mágicas do grande Rubem Alves, que certamente teria simpatia pelo meu furto escancarado rsrs, com a singela intenção de compartilhar e , mais ainda, contribuir... colocando uma pitadinha de pimenta no seu saboroso e reflexivo post:

    "O sobrado do meu avô não existe mais. Queimou numa imensa fogueira. Em poucas horas todo o mistério foi reduzido a cinzas. Construir demora. Destruir é rápido. Por vários dias os gigantescos barrotes de pau bálsamo continuaram a queimar, exalando seu cheiro delicioso de nunca-mais.(...)Foi-se o sobrado mas permanecem os cenários antigos na alma. O Vinícius disse que a alma dele era um círio que ardia numa catedral em ruínas. Eu digo que a minha alma é um manacá perfumado num jardim abandonado. (...) E me lembrei também de um hai-kai de Bashô: ‘Na velha casa que abandonei as cerejeiras florescem...’

    Vez por outra, diante das casas antigas e seus jardins, eu me reencontro de novo comigo mesmo como fui, menino. Foi o que me aconteceu quando visitei, faz poucos dias, São Luís do Maranhão. São Luís: para mim, até aquele momento, nada mais que um nome vazio, uma bolinha no mapa. O nome não me fazia pensar em nada. Aí eu cheguei lá, comecei a perambular pelas ruas do seu centro antigo, e uma alegria começou a tomar conta de mim. O menino que mora em mim, aquele que brincava no sobrado do meu avô, acordou do seu sono. A poesia se virou os meus olhos. Começaram a brincar. Olhavam para as casas e não viam as casas. Viam o sobrado do meu avô. Senti-me voltando para casa. Eliot disse que ‘ao final de nossas longas explorações chegaremos finalmente ao lugar de onde partimos e o conheceremos então pela primeira vez.’ Estaria eu voltando? Retornando ao lugar de onde parti? Será que eu, adulto, sou um estranho, exilado, no mundo da modernidade e das casas novas? O sobrado do meu avô, as casas antigas de São Luís - tão distantes no espaço e no tempo! E, no entanto, habitantes de um mesmo tempo, de um mesmo mundo. As casas antigas de São Luís e o sobrado antigo do meu avô não são casas desse mundo, são casas de um mundo que não existe mais, que existe só na saudade onde moram os sonhos. Mas, como a alma é feita de saudade, esse mundo que não existe do lado de fora continua a existir do lado de dentro. E lá estava eu, menino, andando pelas ruas antigas.

    Abraço forte
    Marcos Lùcio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido EstiMarcos... que coisa linda este texto. Diz aí de que livro é, eu quero ler!

      Excluir
    2. QueriDannemann...fico felicíssimo quando proporciono algum tipo de alegria ou emoção prazenteira...ainda mais nas pessoas queridas como você. O endereço da linda crônica (que abre citando Adélia Prado...vc vai amar!)está abaixo, mas pesquise o site dele. É um luuuuuuuuuxo, pérolas aos poucos e exigentes leitores de excelências. Lá você tem inúmeros e excelentes textos e crônicas, além dos nomes dos imperdíveis livros deste brilhante autor que, naturalmente, "ADOOOOOOOOOOOOOOORRO".

      http://www.rubemalves.com.br/saoluisdomaranhao.htm

      Abraço apertado e beijo estalado!

      Excluir
  2. Digo sempre: Quem gosta de passado eh historiador. Quem gosta de coisa velha eh arqueologo.
    Concordo. Rever (revivier) o passado serve para compara-lo ao presente e quando isso ocorre, na maioria das vezes, eu percebo que algo que tenha feito no passado realmente nao foi a melhor opcao. Vivemos aprendendo pelos erros cometidos...
    De modo geral passado eh sinonimo de recordacao, coisa que nos, humanos, temos. Infelizmente nao temos o poder de selecionar e, as vezes, quase que por encanto, recordacoes ruins vem incomodar mas, com um pouco de discernimento, podemos usa-las para um aprimoramento pois, afinal, vivemos pensando em "progressar" e, se desejamos melhorar; fazer o "certo" devemos usar as coisas e situacoes ruins do nosso passado para... NUNCA MAIS repetir!

    ResponderExcluir
  3. Fernanda, voce esta linda na foto.

    Este tema me fez voltar a infancia, (a minha querida infancia..),

    Nunca deixei a crianca que vive em mim morrer .....Nao tenho nada a acrescentar, apos o comentario do estimado Marcos Lucio (vou ate entrar no site do Rubem Alves)....adorei .......

    Beijos,

    Gilda Bose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Gilda...ontem estava mais uma vez visitando a portentosa CASA DO RUBEM ALVES(este é o nome do imperdível site dele) e resolvi retirar daquela fonte inesgotável , alimento para minha modesta contribuição, inclusive para o blog do Marcelo Migliaccio.Foi uma feliz escolha pois surtiu efeito aqui e lá.

      Como tenho um lado (dentre MUITOS...) fortemente epicurista, sugiro às minhas mui digníssssssimas, chiques e estimadas Vice-Presidenta e Diretora do C.P.A.F.S. não deixarem de visitar, na bela casa, o maravilhoso JARDIM, onde ao final do texto, ele cita um pensamento luminoso de outra grande paixão minha: BACHELARD!!!

      Em toooooooodas as reuniões do aprazível CLUBE, esta frase será lida em alto e em bom tom, "oquei"?

      Abraço forte "procês".
      Marcos Lúcio, o humílimo rsrs... Presidente do clube.

      Excluir
  4. O hoje é apenas um furo no futuro
    Por onde o passado começa a jorrar
    E aqui isolado onde nada é perdoado
    Vi o fim chamando o princípio pra poderem se encontrar

    (Marcelo Nova)

    ResponderExcluir
  5. Fernanda,

    Entrei no site do Rubem Alves, como sugestao do nosso estimado, chiquessimo, Presidente C.P.F.A.S. Marcos Lucio, fui no jardim da Casa Rubem Alves e encontrei estas palavras maravilhosas que eu gostaria de acrescentar como tema da Felicidade:

    "Se, no teu centro
    um Paraíso não puderes encontrar,
    não existe chance alguma de, algum dia,
    nele entrar."

    Este pequeno poema de Cecília Meireles me encanta, é o resumo de uma
    cosmologia, uma teologia condensada, a revelação do nosso lugar e do
    nosso destino:

    "No mistério do Sem-Fim,
    equilibra-se um planeta.
    E, no planeta, um jardim,
    e, no jardim, um canteiro:
    no canteiro, urna violeta,
    e, sobre ela, o dia inteiro,
    entre o planeta e o Sem-Fim,
    a asa de urna borboleta."

    (continua)

    Felicidades,

    Gilda Bose

    Gilda Bose

    ResponderExcluir
  6. Continuacao,


    Metáfora: somos a borboleta. Nosso mundo, destino, um jardim. Resumo de uma utopia. Programa para uma política. Pois política é isto: a arte da jardinagem aplicada ao mundo inteiro. Todo político deveria ser jardineiro. Ou, quem sabe, o contrário: todo jardineiro deveria ser político. Pois existe apenas um programa político digno de consideração. E ele pode ser resumido nas palavras de Bachelard: "O universo tem, para além de todas as misérias, um destino de felicidade. O homem deve reencontrar o Paraíso." (O retorno eterno, p 65).

    Marcos Lucio, abracos para voce tambem.

    BARBARO !!!!!

    Felicidades,

    Gilda Bose

    ResponderExcluir
  7. "Não se procure lá." Fernanda,é claro que o agora,é mais importante.Mas a gente tem sempre aquela curiosidade,de querer saber algo mais...Tipo porque irmãos legítimos tem comportamentos diferentes,porque uma união abençoada por Deus não foi feliz,e por aí vai...
    Ah,bonita a sua foto da adolescência,ao contrário de mim que parecia um esqueleto humano ambulante,rs é tanto que o meu apelido na escola era "grilo falante."
    Bjs.
    Monica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Monica, eu também sempre fui super magra e alta, tive apelidos na escola por causa disso, mas nunca me incomodei, graças a Deus! Aprendi desde cedo a gostar de mim do jeitinho que sou, e isso faz muita diferença! Coleguinhas de escola são terríveis e cruéis, não perdoam nada... mas espero que você não tenha sofrido com os seus apelidos; pense que os gordinhos sofrem muito mais. bjo

      Excluir
  8. Mauro Pires de Amorim.
    Entendo o que você quiz dizer para não procurar no passado quem somos hoje, afinal vivemos no presente.
    No entanto, a lição que a história nos dá é que, somos hoje o que somos, com nossos acertos e erros, qualidades e defeitos, o resultado de nossas escolhas e rumos traçados no passado, muito embora, sempre possamos fazer alterações no futuro, no amanhã, em virtude de nossas percepções no presente.
    Felicidades e boas energias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mauro! Hoje mesmo pensei em você. Como é que estão as coisas? A respeito do seu comentário, eu não quis dizer que não devemos investigar o passado, sou uma entusiasta da análise e da psicanálise. Disse apenas que não devemos levar a vida inteira olhando para trás. Abraços e boas energias para você e sua família!

      Excluir
    2. Mauro Pires de Amorim.
      Tudo vai bem, apesar de que, qualquer morte, especialmente de alguém próximo, sempre mexe conosco, ainda que, estivesse sofrendo, como foi o caso do meu pai. É preciso dar tempo ao tempo.
      Sei que você já passou por isso e mais de uma vez, por isso, fico eternecido com sua solidariedade e demonstração de apreço.
      Sinceros desejos de felicidades e boas energias.

      Excluir
  9. Realmente o Lúcido não dá ponto sem nó e o Rubem Alves é , de fato, um arraso (pelo pouco que dele conheço). Adorei a foto da minha blogueira predileta, embora uma ovelha nigérrima garanta que o que já era bom ficou melhor ainda no presente.

    Já que tudo muda o tempo todo no mundo com sua eterna impermanência, devemos seguir este exemplo da natureza, buscando olhar a realidade quotidiana com olhos novos. Escrevia Saramago na conclusão do seu “Viagem a Portugal”:

    «Quando o viajante se sentou na areia da praia e disse:
    “Não há mais que ver”, sabia que não era assim.
    O fim duma viagem é apenas o começo doutra.
    É preciso ver o que não foi visto,
    ver outra vez o que se viu já,
    ver na primavera o que se vira no verão,
    ver de dia o que se viu de noite…
    É preciso voltar aos passos que foram dados,
    para os repetir, e para traçar caminhos novos ao lado deles.
    É preciso recomeçar a viagem…».

    Que fique claro: voltar somente aos passos CERTOS que foram dados, né? Repetir erros é desatenção ou burrice...pelos menos, que sejam cometidos novos e desconhecidos erros...possibilitadores de novos acertos/aprendizados para os raros que exercitam a arte de viver.
    Abraço sem açúcar e com afeto.
    Danilo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos lá, Danilo, que a ovelha aqui adorrrrrra viajar!!!!!!

      Excluir

Dicas para facilitar:
- Escreva seu nome e seu comentário;
- Selecione seu perfil:----> "anônimo";
- Clique em "Postar comentário";
Obrigada!!!!!